In√≠cio ¬Ľ Esportes Paral√≠mpicos ¬Ľ Esgrima em CR

Esgrima em CR

A história da esgrima em cadeira de rodas começa na Alemanha com o médico alemão Ludwig Guttmann por volta de 1953. Em Roma, em 1960, a esgrima em cadeira de rodas participa de seus primeiros jogos paralímpicos.

A Esgrima é separada em três modalidades, que tem os nomes das armas utilizadas.

As regras derivam da origem histórica de cada arma:

Jovane Guissone, esgrimista cadeirante, comemora sua vitória.
Jovane Guissone esgrimista cadeirante.
Luta com Florete em cadeira de rodas

FLORETE

A técnica do florete serve de base para a esgrima moderna em geral. Essa arma foi desenvolvida no século XVIII, como arma de treinamento, sem corte ou ponta, para a prática do espadim, arma utilizada nos duelos da época.

O objetivo é fazer pontos exclusivamente através de golpes de ponta sobre a superfície válida do adversário que é apenas o tronco.

Possui 90 cm, sendo a arma intermedi√°ria em peso e tamanho e a categoria preferida no Brasil.

ESPADA

Na espada, o objetivo √© golpear exclusivamente com a porta da arma, por√©m, diferentemente do Florete, os espadistas podem tocar qualquer √°rea da cintura para cima do corpo do advers√°rio e os oponentes podem marcar toques simult√Ęneos.

A espada era a arma utilizada nos duelos do século 19 e início do século 20, sendo que a esgrima de espada teve origem por volta do final do século 19, como uma simulação dos duelos.

Possui 110 cm, é a maior e a mais pesada das 3 armas.

Espada
Luta com Sabre em cadeira de rodas

SABRE

O sabre de esgrima, embora comumente confundido com o sabre  Militar, tem origem no sabre de duelo, muito popular na Itália no final do século 19.

Esta arma √© uma arma muito mais leve e r√°pida,¬† sendo poss√≠vel o sabrista tocar seu advers√°rio com a ponta ou com a lateral da l√Ęmina. A superf√≠cie v√°lida para o toque compreende a cabe√ßa, tronco e membros superiores, com exce√ß√£o das m√£os.

Possui 88 cm, é mais curta e flexível.

GRUPOS ELEG√ćVEIS:

- Potência muscular prejudicada
- Atetose
- Amplitude de movimento passiva
- Prejudicada
- Hipertonia
- Deficiência de membro
- Ataxia e
- Diferença de comprimento de perna.

Demonstra o tamanho de cada arma e os locais onde se pode tocar no advers√°rio, para pontuar na disputa.

Classificação

A classifica√ß√£o agrupa, em categorias, atletas com limita√ß√Ķes de atividade similar, para que dessa forma possam competir em condi√ß√Ķes de igualdade. Os atletas s√£o avaliados a partir de testes de extens√£o da musculatura dorsal, da avalia√ß√£o do equil√≠brio lateral com membros superiores abduzidos, com e sem a arma, da extens√£o da musculatura dorsal com as m√£os atr√°s do pesco√ßo, entre outros. No caso de les√Ķes cerebrais ou mesmo em caso de d√ļvida, √© necess√°rio completar a avalia√ß√£o observando o atleta no momento do confronto.

Categoria A

Atletas com bom equil√≠brio sentado, sem suporte de pernas e bra√ßo armado normal, como parapl√©gicos da T10 √† L2. Atletas tanto com pequenos resqu√≠cios de amputa√ß√£o abaixo do joelho ou les√Ķes incompletas abaixo da D10 ou defici√™ncias compar√°veis podem ser inclu√≠dos nesta classe, desde que as pernas ajudem na manuten√ß√£o do equil√≠brio sentado. Atletas com um bom equil√≠brio sentado e com suporte das extremidades superiores e bra√ßo armado normal, como les√Ķes abaixo da C4 ou defici√™ncias compar√°veis.

Limita√ß√Ķes m√≠nimas ‚Äď Defici√™ncia dos membros inferiores compar√°vel a amputa√ß√Ķes abaixo do joelho.

Categoria B

Atletas com total equilíbrio sentado e braço armado normal, com paraplegia do Cpo T1/T9 ou tetraplegia incompleta com sequelas mínimas no braço armado e bom equilíbrio sentado.

Limita√ß√Ķes m√≠nimas ‚Äď Defici√™ncia dos membros inferiores compar√°vel a amputa√ß√Ķes abaixo do joelho.

Categoria C

Atletas sem equil√≠brio sentado, que t√™m limita√ß√Ķes no bra√ßo armado, n√£o possuem extens√£o eficiente do cotovelo em rela√ß√£o √† gravidade e n√£o possuem fun√ß√£o residual da m√£o, h√° extens√£o funcional do cotovelo mas n√£o h√° flex√£o dos dedos fazendo com que seja necess√°rio fixar a arma com uma atadura ou bandagem.